• Agende uma consulta

    Para agendar uma consulta para o tratamento que tem interesse, preencha os campos abaixo com seus dados e aguarde o contato e a confirmação da data.

  • Nós ligamos para você

    Caso prefira o atendimento telefônico, nós ligamos para você. Para receber um telefonema de nossos atendentes, preencha os campos abaixo com...

    Caso prefira o atendimento telefônico, nós ligamos para você.
    Para receber um telefonema de nossos atendentes, insira seu telefone e aguarde o contato.

    • 11/05/2016

    Gravidez após os 35 anos: saiba quais são os principais riscos para a grávida e para o bebê

     Conforme os anos passam, mais difícil fica para uma mulher conseguir engravidar. Isso acontece porque sua fertilidade vai diminuindo com o tempo. Se aos 20 anos, seu corpo proporciona óvulos saudáveis prontos para serem fecundados, após os 35, mais próxima da menopausa, os óvulos já não são tão bons para a formação de um feto e a chance de uma mulher engravidar nessa idade é de somente 15%. Passando dos 40 anos, a chance chega a baixos 3%.

    A probabilidade é baixa, mas ela existe. Assim como os riscos. Com óvulos menos saudáveis e não tendo mais a saúde da juventude, uma gravidez pode ser complicada, e até perigosa, tanto para a grávida quando para o bebê.

    Antes de apresentarmos os riscos corridos que podem existir quando uma mulher de mais de 35 anos engravida, avisamos que com técnicas modernas de medicina, é possível fazer com que tudo ocorra normalmente. Mesmo assim, é importante saber para o que é preciso atentar-se caso decida-se engravidar apesar da idade.

    Riscos para a mulher

    Quando está próxima ou já passou dos 40 anos, ao engravidar, a mulher pode sofrer de diabete gestacional e de hipertensão. Ambas complicações requerem extrema atenção, visto que podem afetar seriamente a saúde da grávida durante os meses em que carrega o bebê. A hipertensão, ainda, pode ser perigosa no trabalho de parto, podendo levar a taquicardia e parada cardíaca.

    Mulheres com baixa taxa de ferro podem sofrer de anemia, sendo extremamente necessário checar esses níveis antes de se ter uma gravidez tardia. A anemia pode fazer com a grávida seja hospitalizada e compromete o desenvolvimento do feto.

    Grávidas acima dos 35 anos também estão sujeitas a distócias funcionais, nome dado para dificuldades durante o trabalho do parto. As distócias fazem com que o parto seja extremamente mais complicado, além de causar contrações fortíssimas na grávida. Em casos extremos, existe risco de morte para a mãe e para o bebê.

    Riscos para o bebê

    Uma vez que, em uma mulher com 35, 40 ou mais anos, o óvulo que dá origem ao feto já não é tão saudável, existem riscos de má-formação. Uma das possibilidades é algum erro cromossômico, que pode fazer com o bebê nasça com Síndrome de Down, por exemplo. Problemas estruturais também podem ocorrer, fazendo com que, em alguns casos, o bebê tenha que passar por algum tipo de intervenção não muito tempo depois do parto.

    Existe, ainda, o risco de abortamento. Uma grávida de 35 anos tem 18% de chance de perder o bebê, enquanto após o 40 a probabilidade já é de 40%. Além do bebê nem chegar a sair do útero com vido, o aborto espontâneo pode acarretar em problemas para a grávida também.

    Cuidados

    É extremamente importante que, se for decidido engravidar já em uma idade de risco, seja feita uma preparação com acompanhamento médico. Antes mesmo de engravidar, é possível checar a saúde da mulher e prever possíveis problemas, já remediá-los ou manter-se preparado para o que pode vir. Ao longo da gravidez, o acompanhamento constante é ainda mais necessário, mantendo a saúde de ambos e preparando para um parto tranquilo.